Kambaku

Icon podcast

Aeroportos de Pemba e Nacala terão unidades caninas para combater contrabando de vida selvagem

Mar 11, 2024 |

Os aeroportos de Pemba, na província de Cabo Delgado, e Nacala-Porto, na província de Nampula, contarão em breve com unidades caninas dedicadas a impedir o contrabando de produtos da vida selvagem.

Estas unidades juntam-se assim à única unidade canina a funcionar em Moçambique, mais precisamente no Aeroporto Internacional de Maputo. A unidade de Maputo tem desempenhado um papel determinante no combate ao contrabando internacional pelo que a eficácia do modelo é agora alargada a dois centros de trânsito estratégicos, localizados no Norte de Moçambique.

Estas duas unidades caninas estão programadas para serem instaladas no segundo semestre deste ano, segundo reporta a Rádio Moçambique.

A selecção destes aeroportos resultou de um estudo sobre a incidência e a possibilidade de circulação de produtos da fauna bravia não apenas em Cabo Delgado e Nampula, mas também nas províncias vizinhas de Niassa, onde está localizada a Reserva Especial do Niassa, e de Zambézia, onde está situado o Parque Nacional do Gilé.

O estudo criminológico realizado pela Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC) e outras entidades concluiu que os dois aeroportos podem estar a ser utilizados como pontos de trânsito ilegal de produtos da vida selvagem.

Esta informação foi divulgada em Maputo pelo Coordenador da Direcção Geral da ANAC, Jorge Lourenço Fernando, durante a assinatura de um acordo com a empresa Aeroportos de Moçambique para viabilizar a iniciativa.

Jorge Fernando afirmou que as infraestruturas estão em construção, e tanto os cães farejadores quanto os seus manipuladores estão, actualmente, em processo de treino. A mesma fonte mencionou ainda que será conduzido um estudo para avaliar a viabilidade da instalação de uma unidade canina no Aeroporto Internacional da Beira, na província de Sofala.

De acordo com Jorge Fernando, “este memorando mostra o comprometimento do Estado moçambicano e do Governo de Moçambique na prevenção de combate aos crimes contra a vida selvagem no pais. Este memorando vai se estender por todo país, nos aeroportos internacionais as unidades caninas que a ANAC vem criando ao longo deste tempo. Temos visto resultados incomensuráveis, sob ponto de vista, não só na prevenção contra a vida selvagem, mas também na segurança aeroportuária dos aeroportos. Então é um memorando muito importante sob ponto de vista do melhoramento e também da imagem do pais, ao nível internacional, pois os nossos aeroportos não poderão ser usados como ponto de trânsito de produto de fauna ilegais. Neste momento, esta em funcionamento a Unidade canina do Aeroporto Internacional de Maputo, e vamos estender para aeroporto de Pemba, na província de Cabo Delgado, e também o aeroporto de Nacala, na província de Nampula, e posteriormente para os aeroportos da Beira, Vilanculos e outros aeroportos internacionais” – disse

Já o presidente do conselho de ddministração dos Aeroportos de Moçambique, Américo Muchanga, este memorando vai ajudar a assegurar que as espécies proibidas de fauna bravia não podem ser exportadas para estrangeiro de forma ilícita através dos Aeroportos internacionais do pais: “a assinatura deste acordo, não é nada mais que uma parceria que nós tínhamos com ANAC. ANAC é um órgão importante para segurança da aviação civil e como tal, já esta trabalhar connosco no Aeroporto Internacional de Maputo, e através deste memorando queremos expandir essa sua acção para os outros aeroportos, como sabem no nosso pais temos muitos pontos de entrada, não só o aeroporto internacional de Maputo, temos outros aeroportos que constituem pontos de entrada no nosso pais, como quem diz, o ponto de entrada é também o ponto de saída, e nestes pontos há também a necessidade de controlar, aquilo pode criar perigo para navegação área, mas sobretudo assegurar que as espécies proibidas da nossa fauna bravia não possa ser exportada ou levada para estrangeiro de forma ilícita, como sabemos há países que tentam derrubar animais, rinoceronte, elefantes e retirar os cornos de forma fraudulenta retirar os cornos para outros países no exterior e a Unidade da ANAC que esta no aeroporto, tem estado ajudar o país a mitigar esse risco e a expansão para os outros aeroportos para nós será  fundamental para assegurar que o nosso pais esta cada vez mais protegido deste tipo de crime que pode ocorrer através das fronteiras aéreas.” – afirmou.

Segundo a ANAC, em 2023, a Unidade Canina do Aeroporto Internacional de Maputo, contribui para apreensão de holotúrias, barbatanas de tubarão e cornos de rinocerontes dissimulados e escondidos em caixa que estavam sendo exportados ilegalmente para fora do país.

Foto: brookings.edu

NEWSLETTER DO MUNDO NATURAL

Subscreva a nossa newsletter e receba notícias do mundo natural.