Kambaku

Icon podcast

Abutres libertados no Grande Limpopo após serem reabilitados

Jul 23, 2023 | Oito abutres foram devolvidos à natureza após sobreviverem a um incidente de envenenamento ocorrido em junho passado. A reintrodução bem-sucedida das aves só foi possível graças aos esforços de reabilitação desenvolvidos pela rápida intervenção equipa da Endangered Wildlife Trust (EWT) e do seu serviço de emergência rápida. Tal como informou a EWT, o grupo de aves, que incluía seis Grifos Africanos, um Abutre Real e um Abutre-de-Capuz, foram libertadas perto de Hoedespruit, junto à fronteira com o Parque Nacional do Kruger que está integrado na Área de Conservação Transfronteiriça do Grande Limpopo cujo ecossistema inclui os parques moçambicanos de Limpopo, Banhine e Zinave. Nesta paisagem rica em abutres, estas aves desempenham um papel crucial no ecossistema. Infelizmente, a região também é de alto risco para envenenamento da vida selvagem, tendo registado a morte de pelo menos 796 abutres de cinco espécies ameaçadas desde Janeiro de 2019. O incidente inicial deu-se no mês passado quando a equipa do Programa de Aves de Rapina do Endangered Wildlife Trust (EWT) Lowveld, composta por John Davies e Lindy Thomson, recebeu um alerta sobre um incidente de envenenamento numa reserva na área do Greater Kruger, como conta a Africa Geographic. Em questão de minutos, a equipa chegou ao local e encontraram uma cena desoladora, com um abutre morto e dois sobreviventes em estado grave. Os dois abutres vivos foram prontamente transportados em caixas na ambulância especialmente projetada para abutres da EWT até ao Centro de Reabilitação da Vida Selvagem de Moholoholo, próximo a Hoedspruit. Determinados a salvar mais vidas, John e Lindy retornaram com a ambulância às 4h do dia seguinte, acompanhados pelos guardas do SANParks, Rangers Honorários e os veterinários Joel Alves e Isabella Grünberger, da WildScapes Veterinary and Conservation Services. Ao longo de seis horas de busca na área, encontraram mais seis sobreviventes que foram resgatados para tratamento. O incidente de grande escala acabou por ter um desfecho trágico para uma quantidade grande de animais de várias espécies: 45 abutres, uma Águia Bateleur, um Leão e três crias de Leão não resistiram ao envenenamento. Os abutres sobreviventes foram levados com segurança ao Centro de Reabilitação da Vida Selvagem Moholoholo, onde receberam tratamento bem-sucedido e foram recuperados por duas semanas antes da reintrodução na natureza. Antes da libertação as aves foram equipadas com anéis nas patas e unidades de rastreamento solar GPS, permitindo que a EWT monitore os seus movimentos e responda a qualquer indicação de comportamentos incomuns, como imobilidade por períodos mais longos do que o normal. Os incidentes de envenenamento ocorrem cada vez mais em áreas vastas e muitas vezes de difícil acesso, a várias horas de viagem dos centros de reabilitação. A Ambulância de Abutres da EWT está estrategicamente localizada numa área de alto risco de envenenamento, e espera-se desenvolver mais unidades para atender a outros locais-chave na África Austral, ajudando a salvar muitos mais abutres. Este projecto inovador só se tornou possível graças às doações da Roy McAlpine Charitable Foundation, Puy du Fou, Gauntlett Conservation Trust, Geants du Ciel, Bushwakka Adventure Trailers, Blue Sky Society Trust, BEWILD, Branfere e Alu-Cab. Veja o video da libertação das oito aves aqui. Foto: EWT

Presidente apela a envolvimento das comunidades nos 50 anos de Banhine e Zinave

Jun 28, 2023 | O Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, apelou ao envolvimento das comunidades locais nos esforços de preservação ambiental e conservação durante a cerimónia de 50º aniversário dos Parques Nacionais do Zinave e do Banhine, situados na Província de Gaza. Durante as comemorações o Presidente da República garantiu que “apesar dos ganhos e progressos que os dois Parques registaram, nos últimos anos, prevalecem desafios, entre os quais a necessidade da formação de mais recursos humanos qualificados e a mobilização de recursos financeiros e materiais adicionais, para que possam enfrentar o desiderato da conservação, com mais vigor. Só com mais recursos poderemos perspectivar um futuro risonho no âmbito da Conservação da Biodiversidade.” E acrescentou, apelando ao envolvimento das comunidades locais na conservação da biodiversidade: “por isso, gostaria de reiterar o apelo às comunidades, aqui devidamente representadas, a redobrarem o seu engajamento e empenho na protecção, conservação e restauração da biodiversidade. O apelo que fazemos aos Administradores das áreas de conservação e dos parques, aos fiscais e funcionários, aos líderes comunitários e às comunidades circunvizinhas dos parques, em particular, as de Banhine e Zinave, é que continuem a cuidar dos vossos Parques, para que nos próximos 50 anos, as histórias, hoje narradas, sobre o percurso dos Parques sejam acrescidas”. Os Parques Nacionais de Banhine e Zinave celebraram meio século sob o lema “50 anos Renovando o Compromisso e Estimulando a Participação Activa das Comunidades, na Conservação da Biodiversidade”. Este tema teve o propósito de ressaltar a importante contribuição das comunidades locais como beneficiárias, atribuindo-lhes a responsabilidade de serem guardiãs naturais da diversidade biológica desses dois parques. O Presidente de Moçambique aproveitou o momento para se dirigir às entidades que mais têm contribuído para a recuperação destes acossistemas: “dirijo, mais uma vez, uma palavra de grande apreço, aos nossos parceiros de cooperação neste domínio, especialmente, a si, Senhor Presidente Chissano e à Peace Parks Foundation, encorajando-vos a prosseguir com o trabalho que vêm desenvolvendo com grande profissionalismo, em colaboração com a ANAC, nesta nobre e complexa missão, de conservar, proteger e restaurar a diversidade biológica, para benefício de toda humanidade”, disse. Durante o evento o Presidente da República baptizou um búfalo com o nome “Reconciliation”  e participou na operação de colocação, nos búfalos, de colares de monitoramento via satélite. Como explica a AIM esta é uma das intervenções tecnológicas introduzidas nas áreas de conservação para o controlo dos movimentos de animais, particularmente dos Elefantes, permitindo conhecer o seu habitat, dispersão, seus movimentos sazonais e factores determinantes desses mesmos movimentos, incluindo preferências alimentares, o que possibilita planificar melhor o esforço de fiscalização e de prevenção do conflito homem- fauna bravia. Foto: Peace Parks Foundation e AIM

NEWSLETTER DO MUNDO NATURAL

Subscreva a nossa newsletter e receba notícias do mundo natural.