Kambaku

Icon podcast

Maior cardume do mundo é destino imperdível para mergulhadores em KwaZulu-Natal

Mai 4, 2024 | O inverno é a melhor estação para mergulhar na Costa Sul de KwaZulu-Natal, quando as águas mais frias trazem o maior cardume do mundo – a anual ‘Sardine Run’, a maior migração de biomassa do planeta e um espetáculo oceânico que deve estar na lista de qualquer mergulhador. Neste evento anual, cardumes de peixes prateados dirigem-se ao norte, perto da costa, atraindo uma série de vida marinha que procura alimento em quantidade. Desde diversas espécies de aves marinha que mergulham na água, a golfinhos, tubarões e até baleias perseguem os cardumes de grandes dimensões. Os pescadores das comunidades locais que vivem na região também entram nas águas para aproveitar este festim anual, com as sardinhas a serem uma das muitas iguarias mais tradicionais, de acordo com o site Getaway. “Com dois dos melhores pontos de mergulho do mundo em Aliwal Shoal e Protea Banks, a Costa Sul de KwaZulu-Natal há muito é um destino atraente para mergulhadores de todo o mundo, mas a Sardine Run é, sem dúvida, um dos momentos mais emocionantes para experimentar esta bela parte do mundo, quando o oceano está cheio de ação”, comentou Phelisa Mangcu, CEO da South Coast Tourism and Investment Enterprise (SCTIE). “Temos vários operadores de mergulho altamente experientes prontos para ajudar com treinamento de mergulho e aluguel de equipamentos, atendendo desde novatos até experientes”, acrescenta. Roland Mauz, da African Dive Adventures, leva mergulhadores entusiastas para a experiência da Sardine Run desde o início da operação em 1996. A operação de mergulho, com base em Shelly Beach, leva os mergulhadores aos incríveis pontos de mergulho Protea Banks e Aliwal Shoal – ambas Áreas Marinhas Protegidas – e onde quer que a ação da Sardine Run esteja acontecendo. “Mergulhar na Costa Sul de KwaZulu-Natal, especialmente durante a temporada das sardinhas, é um destaque no diário de mergulho de qualquer mergulhador”, explica Mauz. “Protea Banks é um dos melhores locais de mergulho com tubarões de África, oferecendo avistamentos de tubarões em quase todos os mergulhos em qualquer época do ano. Em diferentes épocas, vemos diferentes espécies de tubarões, e os entusiastas de tubarões experientes podem ter 100% de certeza de que encontrarão o que procuram”, diz. Sobre a ‘Sardine Run’, Mauz afirma que este é um fenômeno natural mundialmente conhecido: “Experimentar este espetáculo é um privilégio que não deve ser perdido. Ao longo da Costa Sul de KwaZulu-Natal, os melhores lugares para ver a Sardine Run são em torno de Port Edward, onde os visitantes que reservam pacotes têm uma aventura incrível na natureza”. Foto: Getaway

Estudo alerta para diminuição de área verde em reserva sul africana que faz fronteira com Ponta do Ouro

Fev 5, 2024 | Um estudo de 30 anos de imagens de satélite realizado por investigadores da Universidade de Fort Hare alerta para a redução do Pântano de Isimangaliso em Kwa-Zulu Natal. Ao analisar imagens de satélite das últimas três décadas, os investigadores descobriram que os pântanos no Parque de Isimangaliso, um Património Mundial da Humanidade, encolheram 5% entre 1987 e 2017. O Pântano de Isimangaliso em KwaZulu-Natal é um recurso natural inestimável que fornece serviços essenciais às comunidades humanas, serve como habitat para diversas espécies e é um destino turístico popular. De acordo com o artigo publicado no site da universidade sul africana, “a diminuição desses pântanos pode ter um impacto significativo na biodiversidade, incluindo seres humanos, animais e plantas, diminuindo assim o seu status de património mundial. Consequentemente, este presente natural precisa ser preservado para criar um ambiente habitável para os animais de pântano, moderar o clima local e preservar o bem-estar humano, reduzindo desastres relacionados a inundações e mantendo a quantidade e qualidade eficientes de água na área”. O Parque de Isimangaliso, anteriormente conhecido como Parque de Santa Lúcia, é formado por 13 áreas protegidas contíguas, cobrindo uma área total de 234.566 hectares. É o maior complexo estuarino de África, e está localizado perto da fronteira com a Moçambique, junto à Ponta do Ouro, e fica a 275 km ao norte da cidade portuária de Durban, na costa leste de KwaZulu-Natal, África do Sul. Compreendendo 280 km de costa, estendendo-se da fronteira da África do Sul com Moçambique até Mapelane, ao sul do estuário do Rio Santa Lúcia, o pântano espalha-se por 3280 km². O local é conhecido pela sua ampla variedade de vida animal, aquática e marinha, abrangendo ecossistemas como recifes de coral, linhas costeiras, florestas subtropicais, savanas e pântanos. Segundo a mesma publicação, os investigadores constataram que o tamanho dos pântanos no parque está a diminuir através da utilização de técnicas geoespaciais e imagens de satélite, que permitiram estudar a transformação do pântano e detectaram mudanças na biodiversidade devido a processos naturais e humanos. Os investigadores do Departamento de Geografia e Ciências Ambientais da Faculdade de Ciências e Agricultura da Universidade de Fort Hare utilizaram ciência geoespacial juntamente com imagens de satélite para quantificar a diminuição e mudanças dos pântanos. “Entre 1987 e 2017, uma análise das condições desses pântanos revelou uma significativa diminuição de água. Isso parece ser resultado de atividades humanas, incluindo mudanças climáticas, áreas urbanizadas e atividades agrícolas na região”, diz o artigo. Foram utilizadas imagens do Landsat Thematic Mapper para 1987, 1997 e 2007, e imagens do Landsat 8 Thermal Infrared Sensor e Operational Land Imager para 2017 do arquivo do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS). Os satélites Landsat são gerenciados pela Agência Espacial Americana (NASA) e pelo Serviço Geológico dos Estados Unidos. Os pesquisadores utilizaram um Índice Normalizado de Diferença de Água (NDWI) de alta resolução e análises de detecção de mudanças para chegar às suas conclusões. Por exemplo, o NDWI destacou características de água aberta em uma imagem de satélite, permitindo uma análise mais precisa. Foto: franks-travelbox.com/

NEWSLETTER DO MUNDO NATURAL

Subscreva a nossa newsletter e receba notícias do mundo natural.